Um Verão ao Fresco!

16 Agosto 2019

O Verão começou tímido mas, pouco a pouco, os dias de calor vão-se instalando. E se tudo o que apetece é estar à sombra e refrescar, para os nossos companheiros de
quatro patas o Verão é ainda mais desafiante.
Com o corpo recoberto de pêlo e sem a mesma capacidade de baixar a temperatura através do suor que os humanos, os dias quentes trazem riscos acrescidos para cães e gatos: golpes de calor, queimaduras solares, quedas e até doenças parasitárias são perigos a evitar. Confira algumas dicas para tornar o Verão seguro para todos.

- Mantenha o animal num ambiente fresco – se possível, mantenha o animal em casa e o ambiente com uma temperatura agradável, evite passeios nas horas de maior
calor (sobretudo entre as 12h e as 16h) e se o seu animal estiver no exterior reposicione a casota ou abrigo num local de sombra; dentro de casa, se abrir as
janelas para refrescar, assegure-se que estas estão protegidas e que não permitem a passagem de animais de forma a evitar acidentes e quedas;


- Redobre cuidados também com os outros animais da casa – se tiver animais em gaiola, como pássaros ou roedores, coloque a gaiola num local fresco, ventilado e à
sombra, aumente o número de bebedouros e, para os roedores, cubra a base da gaiola com uma superfície fresca, como por exemplo, um azulejo; se tiver animais aquáticos
(por exemplo, peixes ou tartarugas), leve em consideração o facto do calor predispor ao desenvolvimento bacteriano e renove a água dos aquários com maior frequência;


- A hidratação é fundamental – multiplique a oferta de água pela casa e mantenha a água nos bebedouros fresca: se necessário, adicione uma ou duas pedras de gelo à água de bebida ou escolha um bebedouro com capacidade para manter a água fresca todo o dia; se sair, leve consigo um bebedouro de viagem e faça pequenas paragens, a cada 15 a 20 minutos ou sempre que necessário, para que o animal possa beber;


- Pequenas alterações alimentares podem fazer uma grande diferença – ofereça ao seu melhor amigo refeições mais pequenas; esta pequena mudança fará com que a digestão se torne mais fácil e também com que procure os bebedouros mais vezes; se possível, introduza também algum alimento húmido na alimentação, como forma de aumentar a ingestão de água;


- Passeie em segurança – se sair numa hora de maior calor, proteja previamente as patinhas com um produto próprio para este efeito e ao voltar a casa reforce a hidratação; caminhe calmamente pela sombra (evite o exercício físico intenso) e confira a temperatura do solo: relembre que as patinhas dos cães contactam diretamente com o alcatrão e podem sofrer queimaduras; prefira percursos em solos húmidos como relvados aos de cimento ou alcatrão mas evite zonas com erva alta, sobretudo se houver praganas;


- Aplique protetor solar também nos animais - em cães e gatos de pelagem mais clara devemos proteger as zonas mais sensíveis (por exemplo, plano nasal e orelhas) com protector solar específico para animais (sem filtros químicos);


- Tome especial cuidado com os parasitas – com o aumento da temperatura, aumenta também significativamente a quantidade de parasitas no ambiente; para
evitar colocar a saúde do seu melhor amigo em risco, mantenha as desparasitações em dia; aposte também num desparasitante externo com efeito repelente para evitar
doenças transmissíveis por insectos vetores, como por exemplo a dirofilariose ou a leishmaniose;


- Esteja atento aos sinais – evite deixar o animal sozinho, sobretudo em viaturas ou outros espaços sem ventilação; dificuldades respiratórias (respiração muito rápida e
ofegante), almofadinhas plantares excessivamente húmidas, vómitos, diarreias, alterações motoras (animais cambaleantes), desorientação ou perda de consciência e, em casos extremos, convulsões podem ser sinais de golpe de calor; o golpe de calor é uma doença grave, que pode levar à morte do animal e que requer cuidado médicoveterinário urgente; animais mais jovens, mais idosos e de focinho curto são especialmente sensíveis e requerem proteção adicional.