A Leishmaniose canina

30 Março 2017

A Leishmaniose é uma doença parasitária, grave no cão, causada por um parasita microscópico, a Leishmania. A sua transmissão é efetivada pela picada de um inseto, muito parecido com um mosquito. Estes insetos estão ativos desde que o tempo aquece, normalmente a partir de abril e até setembro e vivem, sobretudo, em refúgios de animais, habitações, caixotes de lixo, matas e zonas com águas estagnadas. Nos anos mais quentes, o seu período de atividade pode ir de março a novembro. Durante este período pode ocorrer a transmissão da doença, nunca diretamente de cão para cão (exceto no caso da transmissão mãe/filho), mas sempre através do vetor, que é o próprio inseto. Ou seja, este tem que picar, para se alimentar de sangue, num cão doente, para transmitir o parasita a um cão saudável, quando o picar para se alimentar novamente. Está ativo desde o entardecer até ao amanhecer, sobretudo em noites amenas, pouco ventosas.

Aqui ficam algumas dicas que podem ajudar à prevenção e a evitar que o seu amigo de quatro patas contraia uma doença perigosa e por vezes mortal.

  1. Utilização de redes mosquiteiros.
  2. Evitar que os cães pernoitem na rua.
  3. Evitar os passeios ao final do dia e durante noites amenas e pouco ventosas.
  4. Aplicar pipetas ou coleiras repelentes de insetos ou com inseticidas.
  5. Evitar passear em locais húmidos, matas e parques: mantenha o animal em movimento, brincando com ele se forma ativa, porque quanto mais se mexer, mais difícil será ser picado.
  6. Uso de inseticidas no ambiente.
  7. Medidas sanitárias básicas e simples.
  8. Exames regulares.
  9. Uma nutrição saudável e equilibrada.
  10. Vacinação: consiste numa primovacinaçao, a partir dos 6 meses de idade, com 3 doses vacinais administradas com 3 a 5 semanas de intervalo.

Mas se todas estas dicas falharem e o seu cão chegar a contrair Leishmaniose, nem tudo está perdido. Com acompanhamento veterinário, cuidados adequados e empenho tutorial responsável, pode disfrutar de uma vida longa e com qualidade, não diferente da de qualquer outro cão saudável.

 

Fonte: http://visao.sapo.pt/opiniao/bolsa-de-especialistas/2017-01-16-Dicas-para-prevenir-a-Leishmaniose-canina, 26 de fevereiro de 2017